terça-feira, 1 de setembro de 2015

Leituras da Semana

Um paper recente de Nelson Barbosa sobre os desafios macroeconômicos do segundo mandato de Dilma, talvez ilumine algo do que vem por aí.

As consequências econômicas dos bancos estatais no Brasil.

A política econômica da Argentina é uma decisão racional frente a muitas restrições? O que acontece se aplicarmos o mesmo raciocínio para o Brasil?

A Finlândia está considerando um programa nacional de renda mínima.

Os Estados Unidos ainda mandam no mundo.

A ameaça do Socialismo ajudou a tornar o Capitalismo mais igualitário?

Ensaio fotográfico com os imigrantes que tentam entrar no Brasil pelo Acre.

Procrastine lendo sobre procrastinação.

A importância de se ensinar sobre ignorância.

Teju Cole em São Paulo, tentando replicar uma fotografia de 1960.

Porque odiamos ouvir nossa própria voz gravada.

Engenheiros no mercado financeiro (abaixo)





6 comentários:

paulo araujo disse...

Qual Nelson, cara-pálida!?

"AMPLIAR o gasto público real com saúde e educação, por habitante: o
gasto público federal com custeio em saúde e educação já vem subindo
nos últimos anos e ISSO DEVE SER MANTIDO." (Nelson Barbosa, no artigo de julho-setembro/2015".

"Hoje o principal desafio fiscal do Brasil é controlar o crescimento dos gastos obrigatórios da União" (Nelson Barbosa, na entrega do projeto de orçamento, ontem 31/08/2015)


Fabio Storino disse...

Oi, Drunk. "Teju Cole em São Paulo" aponta apenas para www.blogger.com.

Drunkeynesian disse...

Boa pergunta, Paulo. Em breve saberemos, acho.

Valeu, Fabio, já arrumei.

Dionísio disse...

O artigo do Branko é interessante. O Wolfgang Streek tinha feito um argumento parecido e mais abrangente na New Left Review, chegou a ver?

http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-97/tribuna-livre-da-luta-de-classes/como-vai-acabar-o-capitalismo

Anônimo disse...

Sobre este artigo (que todo mundo já leu, claro):

http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,uma-fabula-de--improdutividade,1759423

Acho engraçado esse dogma da direita, "diminuir o estado pra poder reduzir impostos e daí o país vai crescer e todo mundo sai ganhando". Como alguém ainda pode cair nessa?

Houve 13 (!?) anos de governos privatistas (90-2002), quando venderam TUDO, privatizaram a rodo, e na hora do vamos ver, cadê a redução do imposto? A carga tributária não caiu, pelo contrário, até aumentou, e muito.

Sem contar que no final o governo continua mandando em tudo (ou atrapalhando, como preferir), através de agencias de regulação, BNDES, fundos de pensão estatais, golden share, etc...

Diminuir corrupção? Faça-me rir, todas as empresas envolvidas em sujeiras com a Petro são privadas, rola corrupção adoidado nas privadas, só que não chama atenção, até justo, pois é problema dos acionistas e não da sociedade.

Esse tipo de texto, parcial e sem contraponto, é o que faz as pessoas de direita ficarem cada vez mais de direita e pensarem cada vez menos, dando origem aos extremistas que vemos por aí.

O que acha Drunk?

Abs

paulo araujo disse...

Amigos politólogos, indicam algum paper ou livro que formaliza aquela máxima de que não existe vácuo no poder?

Maquiavel, N. O Príncipe.

Embora não tenha um, eu espio seu twitter. Ri muito:

Com isso podemos encerrar 2015, ou mesmo o século XXI.

Naldo e Mano Brown lançam parceria polêmica que exalta Romero Britto